28/08/2008

Dádiva.



Quando a alma voga pelas nuvens com as mãos plenas de oferendas inúteis, em busca daquele a quem as pretende dar, o melhor é lançar no etéreo lugar vozes celestiais com as melodias do seu agrado.
Assim, elas se espalharão, serão conduzidas ao seu inefável coração numa dádiva de Amor.
E esta será por ele reconhecida.


fernanda s.m. - 28, agosto.

***





***

Em silêncio oiço.
E calo a emoção que a memória guarda nos véus dourados da noite.


fsm.

3 comentários:

gabriela rocha martins disse...

entro em silêncio

sento.me ,em silêncio ,a um canto


rendo.me à BELEZA

e prometo retirar.me ,de novo ,em silêncio
- quer que feche a porta?



.
um beijo

fernanda s.m. disse...

Não, não, minha Amiga...deixe-a só entreaberta, pois pode alguém querer entrar também...

E nunca estou certa que, quando uma porta se feche, uma janela se abra ...

Grata pela visita e pelas palavras.

Grande beijo.

mariah disse...

...e eu entrei...silenciosamente.
faço o mesmo com reverência exposta ao Belo ...


Beijo,
mariah