08/03/2008

A Estrela d'Alva




A ânsia da espera desbarata as emoções e não deixa viver o tempo presente que tanto amparámos entre sonhos e vigílias. A saudade do que se imaginou inventa novos pretextos para admirar a paisagem que renasce sobre o corpo da memória e a carícia das mãos.

O silêncio junta os olhares deitados sobre a planície onde outrora cavalos selvagens corriam em direcção ao mar e à liberdade. Hoje pouco se avista para além do cansaço e das intenções que desaguam nas palavras apenas murmuradas.

É Inverno, já. Sabe bem, por isso, encostar as sensações à aragem fria da tarde e esquecer o tempo que despimos das obrigações da quadra festiva. A festa, agora, é a dos sentidos que percorrem a geografia do corpo e traçam novos itinerários para a descoberta do princípio da vida. Se é a alma que procuramos, ela poderá estar na ponta dos dedos e na palma da mão onde, em tempo de sonho e júbilo, já cresceram estrelas.

Agora é nos olhos que queremos a estrela d’alva, para com ela avivar e avisar a memória de tudo quanto iludiu o espaço da viagem e das emoções.


Augusto Mota, in «A Geografia do Prazer», 2000, inédito

4 comentários:

gabriela r martins disse...

um beijo muito especial a estes dois amigos da margem do Lis

fernanda s.m. disse...

... e, da margem esquerda do Liz ( eu, por uma questão pessoal, escrevo com "z", mas é com "s" que se deve escrever, parece...) lhe retribuo o beijo especial, e um agradecimento reconhecido !

gabriela r martins disse...

oh! será?
se calhar é mesmo com z ... e se perguntássemos ao nosso comum amigo ,o heremita da Ortigosa?
[o "Almirante" mata.me!!!!!!!!!!]eheheheheeheheh

.
um beijo

fernanda s.m. disse...

Pois ... foi ele que me deu a resposta quando lhe fiz a pergunta, feita por uma 3.ª pessoa, também com dúvidas. Mas sabe, gosto mais de visualizar a palvra com "z", agrada-me mais... e assim, incorro, voluntariamente, num erro assumido ! Coisas de boémia...
bjs.