31/12/2009

2010 - Cântico da Esperança

*

Photobucket




Cântico da Esperança


Não peça eu nunca
para me ver livre de perigos,
mas coragem para afrontá-los.

Não queira eu
que se apaguem as minhas dores,
mas que saiba dominá-las
no meu coração.

Não procure eu amigos
no campo da batalha da vida,
mas ter forças dentro de mim.

Não deseje eu ansiosamente
ser salvo,
mas ter esperança
para conquistar pacientemente
a minha liberdade.

Não seja eu tão cobarde, Senhor,
que deseje a tua misericórdia
no meu triunfo,
mas apertar a tua mão
no meu fracasso!

Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera"
Tradução de Manuel Simões

foto: fernanda s.m.

3 comentários:

antonio disse...

"...ter esperança
para conquistar pacientemente
a minha liberdade.(...)"

que a Esperança permaneça bem viva!

Ano Feliz para si, Fernanda !

Abraço,

António

gabriela rocha martins disse...

aqui chego ,como sempre ,atrasada .mas impossível ler e não comentar este belíssimo "2010-cântico da esperança"

e que ,de facto ,assim seja


.
um beijo ,Amiga

eli disse...

Fernanda,

por razões que a minha própria razão desconhece,relendo Tagore, ocorreu-me
Clarice Lispector. Contando com a sua habitual bonomia amiga, (ab)uso (d)o espaço e deixo-lhe o poema [se vencer a inércia-recomeço-rotina-lisboeta, talvez até o coloque lá no meu NS].


Meu Deus, me dê a coragem
de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites,
todos vazios de Tua presença.
Me dê a coragem de considerar esse vazio
como uma plenitude.
Faça com que eu seja a Tua amante humilde,
entrelaçada a Ti em êxtase.
Faça com que eu possa falar
com este vazio tremendo
e receber como resposta
o amor materno que nutre e embala.
Faça com que eu tenha a coragem de Te amar,
sem odiar as Tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo.
Faça com que a solidão não me destrua.
Faça com que minha solidão me sirva de companhia.
Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar.
Faça com que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo.
Receba em teus braços
o meu pecado de pensar.

Clarice Lispector



**** Beijinho da eli