10/06/2008

«In Memoriam» - Camões.








Se quando vos perdi, minha esperança,
A memória perdera juntamente
Do doce bem passado e mal presente,
Pouco sentira a dor de tal mudança;

Mas Amor, em quem tinha confiança,
Me representa mui miudamente
Quantas vezes me vi ledo e contente,
Por me tirar a vida esta lembrança.

De coisas de que apenas um sinal
Havia, porque as dei ao esquecimento,
Me vejo com memórias perseguido.

Ah! dura estrela minha! Ah grão tormento!
Que mal pode ser mor, que no meu mal
Ter lembranças do bem que é já passado?



Luís de Camões - soneto XX




**********




« Mas eu que falo, humilde, baixo e rudo,

De vós não conhecido nem sonhado?

Da boca dos pequenos sei, contudo,

Que o louvor sai às vezes acabado,

Nem me falta na vida honesto estudo,

Com longa experiência misturado,

Nem engenho, que aqui vereis presente,

Cousas que juntas se acham raramente. »


Luís de Camões - in Os Lusíadas - Canto X, estrofe CLIV.

1 comentário:

El disse...

Cara Fernanda

De linda maneira nos 'pegas' assim com trechos escolhidos do grande Poeta.

E que viva sempre na memória de todos, sempre.

beijo,

El